Tradutor do Blog

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

UM ODRE CHEIO DE LÁGRIMAS




Tu contaste as minhas vagueações; põe as minhas lágimas no teu odre; não estão elas no teu livro?

                                                                                                              SALMO: 56.8


     Esse é o clamor de uma alma aflita - alguém que sabe o que é vaguear sem rumo, ser um fugitivo, um exilado; alguém que sabe o que é verter muitas lágrimas. Contudo, mesmo em suas lágrimas e no exílio, ele encontra consolo e percebe que os olhos de Deus estão sobre ele. O Senhor está "tomando nota" de tudo por que ele passa. Um registro é mantido no Livro de Deus a respeito de tudo o que sofre por causa da justiça.

    Todavia, suas lágrimas não são derramadas em vão. São lágrimas de tristeza e solidão, mas não de desespero. Há um futuro para elas. No presente, representam sofrimento. Um dia, porém, cada lágrima irá se tornar tema de uma canção de louvor. É por esse motivo que o exilado diz ao Criador: Põem as minhas lágrimas no teu odre. Ele não quer deixar perder-se o tema para uma só canção.

   O sofrimento é algo praticamente inevitável na vida humana, mas não é necessariamente mau. Seu resultado depende de como respondemos a ele. Há um provérbio francês que diz: " Para ser bonito, tem que sofrer". O sofrimento suportado com fé e pela causa da justiça transmite uma beleza peculiar que a morte não pode destruir.

    Então, não desperdice os seus sofrimentos! Certifique-se de depositá-los na eternidade. Eles serão transformados de maneira gloriosa.


     Porque para mim tenho por certo que as aflições deste tempo presente não são para comparar com a glória que em nós há de ser revelada.

                                                                                                                    ROMANOS: 8.18


RESPOSTA DE FÉ


Senhor Jesus, ajuda-me a ver meus sofrimento à luz da eternidade.



"Texto copiado do livro de Derek Prince * Percorrendo os Salmos" (Graça Editorial).      

Nenhum comentário:

Postar um comentário